quarta-feira, agosto 22, 2007

Praticamente sobre os sinalizadores de navios

Eu não sou de acreditar em sinais. Acho que por que eu nunca fui uma das pessoas escolhidas para recebê-los... Tavez apenas não tenha vindo equipada adequadamente para percebê-los.
Mas desta vez, o responsável pelo envio dos sinais, seja lá ele quem for, grudou minhas pálpebras abertas com durex na testa, sacudiu minha cabeça e direcionou meu olhar teimoso pra ele: O SINAL.

Chega a ser engraçado, até por que, eu exagero demais, mas dessa vez... foi óbvio demais pra insistir em ignorar, tão óbvio que me faz desconfiar ceticamente.
Que paradoxo, meus bruchoves!

Eu tive a indicação de que o sinal estava ali, fingi que não vi. Olhei para o outro lado, pisquei, inventei uma tosse, cantarolei um funk qualquer, mexi no cabelo e continuei andando, sem parar. Ao levantar a cabeça, a surpresa: duas meninas entregando flyers.

Internamente, desejei ser invisível e passar despercebida: "Não! Odeio essas meninas com papéis que vão direto pro lixo" - pensei. Eu não estava invisível. "Boa noite", disse a magricela 1 azeda, cheia de papéis nas mãos, me oferecendo um daqueles coloridinhos, com aquela vozinha afetada.

Peguei um, mas ainda assim, não quis olhar. Ia ignorar, descartar o papelzinho no primeiro lixo que aparecesse - e acredite, ele estava próximo - e ainda fui boazinha pensado no lixo pois, como pude observar, tomando cuidado para não ler o panfleto, o chão estava repleto deles.

Mas não adianta, uma espécie de imã puxava meu olhar e cuidava de atiçar ainda mais a minha curiosidade, que já não é nada pequena, viu?
Porém, a curiosidade era meio em vão. Eu já sabia o que continha ali. Óh-minhas-luvas-de-veludo-furadas!

Tá. Eu olhei. Tá! Eu fiquei chocada e mais desnorteada ainda. Tá, eu admito: eu dei muito valor à um teco de papel. Mas era um sinal. Ê inferno!




* Inspiração repentina daquela que não acreditava em sinais, mas que, de repente, teve a cabeça sacudida por um ao chegar à faculdade ontem de noite.*

0 palpites bem-vindos!: