segunda-feira, agosto 27, 2007

Rainha da Patolândia

Me arrumar para sair com aquelas duas nunca deixou de ser um martírio.
Enquanto elas eram pavões endinheirados com as melhores roupas, sapatos, bolsas, cabelos, pele e um corpo perfeito, eu era uma galinha d’angola despenada, com as mesmas calças e blusas de sempre, sem sapatos altos, o cabelo esquisito e a cara com espinhas (sem entrar nos méritos do corpo). Não dá pra especificar qual foi o dia em que me senti mais feia na vida. Sei que, provavelmente, elas estavam lá. Sempre pra me fazer sentir um pouco pior. Os garotos sempre as desejando, me pedindo ajuda para conquistá-las. Sempre esquecendo que eu também era mulher, tinha desejos e aspirações. E nunca reparando que eu podia não ser a deusa espetaculosa, mas era sempre a mim a quem elas recorriam para arrancar conselhos e decidir os rumos da vida. Demorei a perceber, mas um dia veio a luz: eu não era oca, mimada, irresponsável e superficial. Eu tinha aprendido e crescido muito sendo a pata mais feia da patolândia e, enfim eu sabia viver. E sabia que a vida era muito mais do que aquela beleza que um dia se transforma em rugas. Eu tinha algo que ninguém poderia me tirar, nem mesmo o tempo.




*Pauta Tudo De Blog * Capricho. *

11 palpites bem-vindos!:

Julia Duenhas disse...

Chata!

Line disse...

cansei de me sentir assim... agora imagina como é quando sua melhor amiga é modelo (e tá em Paris no momento)... aí detona com qualquer expectativa, né? XD
mas o conteúdo sempre é mais valioso u.u"
mtoo bom o texto!
bjooo =*


ahhhh!! qual é o nome dessa música que tá tocando? *-* liiinda!

Mary disse...

Oi, bonito seu texto!!
Com o tempo as pessoas mudam.. as espinhas somem..
Bonita essa musica que toca aqui..

bjos!

Mia disse...

Di,
me identifiquei com o seu texto!!! já passei por isso..mas acho q aos poucos estou virando um cisne...hehe
te amoo!!!

Leila disse...

Cada um com seus méritos, vai dizer? O melhor mesmo é perceber no que vc é realmente boa e não ficar se entristecendo com pouca coisa :D

:*

Carol disse...

nooossa...
per-fei-to seu post! show!

bjokinhas

leticia disse...

porque na patolândia também existem pessoas legais!

bj

leticia disse...

achei seu blog em outro blog, que por sua vez, achei em outro blog...

é q na minha faculdade tem greve de aluno

bj

Elsa Villon disse...

Entendo o que se passa.
Não era uma pata. Era uma garça.
Magrela, sem espinhas, sem cabelos esquisito. Mas sempre muito magrela, muito moleca.
Eles só vinham falar comigo quando precisavam trocar as figurinhas do álbum da Copa.
Ou quando perdiam o jogo e me perguntavam o placar.
Para fazer trabalhos, pois sempre priorizei o raciocíonio à futilidade.

Mas na hora de perceber que eu era menina, que eu também queria ser elogiada, notada e querida... era bem isso o que foi dado no seu texto-pauta-blog...

Hoje, alguns finalmente notaram que fui menina. Mas agora é tarde...

Mary disse...

musica bonita mesmo, vlw pelo nome ^.^

Biaaahhh disse...

Estou tentando deixar d me achar assim feia a um tempo...seu texto ajudou um bocado pq tb tenho amigas assim...q fazem eu me sentir inferior...e sou assim..a conselheira como vc...
Acho q vc me fez dar...juntamente com um novo amigo meu...um bom passo para a mudança!!!

Com toda a sinceridade do mundo...vlw...e de modo algum sendo puxa saco...eu te adoro...seu blog me ensinou tanta coisa em tão pouco tempo que nem consigo contar...Um abraço e um beijo...