segunda-feira, março 12, 2007

Esvaziando


Há sempre aqueles dias que nos fazem refletir
Há sempre aqueles dias que tiramos para nos esconder
Há sempre aqueles dias que queremos redimir
Há sempre aqueles dias em que o certo era morrer.

Há aquelas vezes em que precisamos chorar
E as muitas vezes em que precisamos sorrir
Há às vezes em que precisamos amar
E as várias vezes em que precisamos partir.

Temos os dias de esperança
Temos os dias de puro medo
Temos os momentos de criança
E aqueles de muito segredo.

Que espécie de dia é hoje?
O que marcará o amanhã?
Nenhum ser são será só na solidão
Os chamados loucos, predicados estranhos têm sempre a si mesmo, só.
Só não estão. A sós não ficarão.

Sozinha no escuro o medo é em vão.
Olhando por sobre o muro vejo o secreto luar
Sei que estar só comigo é mais do que mereço ter
Sei que seu ser-perigo, é aquilo que desejo ser.

1 palpites bem-vindos!:

Guilherme disse...

Hmmmmm... mto interessante..
^^