quarta-feira, junho 23, 2010

É.

Faltava pouco, quase nada. Mas quem, afinal, é bom em esperar?
Ela, definitivamente, não era. Não sabia sequer o que dizer, mas precisava dizer alguma coisa.
- É.
- É - ele respondeu, assustado pela manifestação repentina.
- Então acho que é isso - continuou ela.
- É - balbuciou ele nervosamente, claramente contrariado.
- Que pena - respondeu ela, tentando parecer o mais indiferente e gélida possível. 
Ele pôde sentir aquela atitude e aquilo o machucou. Sentiu que iria dobrar o corpo, mas aguentou firme.
Enquanto isso, ela queria gritar, implorar para que fosse diferente e que tudo voltasse ao normal. Pediria desculpas, se assim fosse necessário. Aceitaria as dele, se ele as desejasse. Ela queria ser abraçada. Queria sentir o calor daquele corpo mais uma vez. Mas permaneceu impávida. Assim era ela.
- Acho que... - começou ele, sem saber como terminar.
- Então... tchau, eu acho. - Determinou ela, louca de vontade por ficar e não ir a lugar algum.
Ninguém se mexeu.
Olhavam nervosamente um para o outro, desviando os olhos, reparando em volta.
57 linhas no teto, ela já havia contado três vezes.
A garota torcia as mãos nervosamente. Estalou todos os dedos duas vezes e tentava a terceira, sem sucesso algum.

Sucesso. Essa era uma palavra que não pertencia a vida dela.

7 palpites bem-vindos!:

Dáa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dáa Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
@try_ellen disse...

muitoooo lindooo o que vc escreveu, adoreiii vir aqui no seu blog pretendo sempre vir aqui

visita o meu quando vc puder beijos
ellencaetano.blogspot.com

xoxo Tracy

Paulinha* disse...

Caracaa meeu , eu ameii amandoo o seu blog.....
Vc é muitoo criativa com as palavras.
Imaginoo uma criança com o seus 4 anos , lendo seu primeiroo livroo e se encantando cm esse mundinhoo de letras. Compondoo assim suas promeiras palavras, suas primeiras frases, seus primeiros versos.
E o tempo vai passando , e ela percebe que pode mais muitoo mais onde ela passou não chegar um dia.E quando se percebe que esta a escrever feitos grandiosos de sua vida e mostrando ao mundo.
Ela enfim percebe que não pode mais viver sem a escrita, sem a leitura, a literatura se percebe nela e ela na literatura. Na verdade uma é a outra!

Fk beem e se cuidaa
se quizer e puder visita o meu blog *-*(miarisposta.blogspot.com)
bjs enormes!

adocica disse...

Ai, Di, não começa. Sucesso é uma palavra que pertence absurdamente a sua vida, ok?

Nathalia disse...

gostei muito mesmo (:

Anônimo disse...

goostei (: