sexta-feira, novembro 16, 2007

Minha Happy me faz feliz

A Happy, na verdade, já não faz muito jus ao seu nome. Agora que os anos passaram, ela fica cada vez mais sozinha em casa, presa. Todo mundo trabalhando e ela lá. Mas sempre que alguém se dispõe a dar alguma atençãozinha para ela, lá está ela. Velhinha. Cega de um olho. Manca. Durante sua vida, ela teve a proeza de quebrar três vezes a mesma patinha, no mesmo lugar. Mas ela continua querendo sempre carinho atrás das orelhas, morder sua mão brincando com quem estiver disposto e pedindo o que quer que você esteja comendo. Aquela que eu chamo de 'melhor amiga' não tem quatro patas. Mas eu sei que a Happy é aquela que vai me esperar sempre, que vai vir procurar calor, comida, cafuné ou só um pedaço de carne pra morder. Aliás, não sei se sempre, por que ela tá velhinha, velhinha. Mas é a minha amiga mais antiga e, sem dúvida nenhuma, é companheira. Eu tenho muito medo de chegar em casa e encontrá-la sem respirar. É ela que, mesmo depois de tomar uma bronca por fazer xixi no lugar errado, balança o rabinho pra mim quando abaixo para dar uma atenção diferenciada com a consciência pesada. Morro de preguiça de levá-la para passear, mas adoro os momentos que acontecem depois que vou. A gente conversa em silêncio e se entende. Pelo menos sei que ela não desliga o telefone na minha cara, não liga desmarcando nossas saídas e não implica comigo com bobeiras.
A Happy, mais do que ninguém, merece ser
"happy". Ela sim é amiga de verdade

"Você acredita que o cachorro é mesmo o melhor amigo do homem?"
Pauta "Tudo de Blog" - Capricho

6 palpites bem-vindos!:

Leila disse...

Hm.. qual a raça? acho que tentei amizade com os cachorros errados :D

:*

Jhé Cruz disse...

Adorei o nome dela afinal você sempre diz:
"Happy vem aqui"
E lá vem ela, a felicidade vem pertinho pertinho ;)

Ana Luiza disse...

Amei a Happy *-*

letícia * disse...

aiai...

esses bichinhos tem um carinho tão grande pela gente..

Elsa Villon disse...

Ah Di, que bonito o seu texto.

Estou tão triste.

A filhotinha da cria da Moria morreu. Ela tinha 3 meses e 20 dias. E eu a vi nascer e morrer. No meu colo.

Esses bichos valem mais que pessoas às vezes.

Biaaahhh disse...

Lindo texto...tô likando vcs...Bjuxx!!!